em

Ninja Pinto, campeão mundial No Gi, alia mentalidade de atleta e empresário

Problema de saúde quase afastou o faixa-preta dos tatames do Mundial da IBJJF

Ninja Pinto
Ninja Pinto superou adversidades para ocupar o lugar mais alto do pódio.

Emplacando seu quarto título mundial, campeão Mundial No Gi na divisão dos masters, em Las Vegas, nos Estados Unidos, Ninja Pinto teve mesmo que colocar sua filosofia de guerreiro em prática para conseguir lutar. Na semana anterior ao campeonato, Ninja teve um problema de saúde que quase o fez desistir do torneio. Contudo, a vontade de ir para o campo de batalha falou mais alto e ele partiu para o combate. O resultado não poderia ser melhor.

Controle do gás na hora das lutas foi fundamental

Passando por um total de 3 lutas para levar o ouro para casa. O faixa-preta, durante entrevista ao VF Comunica, analisou cada uma delas e apontou o primeiro duelo como o mais desafiador. “A que tive mais perigo foi a primeira, contra William Hagerty, pois ganhei de apenas uma vantagem.”, conta.

Quanto à performance, o problema de saúde fez com que ele precisasse se poupar ao máximo, sem tanto desgaste físico. O sucesso nesse quesito, segundo Ninja, foi mérito da preparação física com Vitor Angarten, fundamental para amparar a atuação vitoriosa.

O projeto Ninja Starts mantém ritmo crescente

A Ninja Stars International, projeto de seleção de atletas para formação que investe no ensino intensivo de gestão de carreira e de administração de academia, continua se deparando com boas oportunidades. Segundo Ninja, as duas ocupações, de professor e empresário, são como as duas faces de uma mesma moeda. “Tem sido um grande sucesso, o método de gestão de um é exatamente aplicado no outro. São como se fossem duas empresas, mas com a mesma administração. Se tenho as pessoas certas comigo, é muito difícil dar errado.”, declara com convicção.

Consciente da importância do business na carreira de campeões, do trabalho fora do tatame, tão importante quanto, Ninja Pinto, também CEO da Brazil Academy, tem centenas de alunos sob as suas instruções. A intenção maior é fazer do Jiu-Jitsu uma ferramenta de transformação de vidas, conjugando ensino de gestão, para que os atletas sejam capazes de administrar a própria carreira, com a consciência corporal e técnica adquirida nos treinos físicos.

Albino Mendes e Renato Nato são nomes citados pelo faixa-preta como reforços do projeto para o ano que vem. Na seleção para aumentar a equipe, a capacitação de ambos foi definitiva no momento da decisão. Atleta bem informado, que valoriza noções de investimento financeiro e intelectual, o atual campeão de grappling enxerga a modalidade com potencial para desbancar o Jiu-Jitsu sem pano em um futuro que pode ser próximo. Para ele, mais recursos em forma de capital e visibilidade na mídia são os alicerces da força do grappling, uma potência esportiva cada vez mais robusta.

Avatar photo

Escrito por Emmanuela Oliveira

Emmanuela Oliveira é faixa-marrom de Jiu-Jitsu e formada em Comunicação Social. Dentro do tatame, aprendeu que é possível conjugar Jiu-Jitsu, escrita e o gosto pelas artes visuais em um só pacote.

Duda Tozoni fala do seu atual momento como atleta e relembra título no Grand Slam Miami

Claudio Calasans analisa cenário do Grappling e fala sobre Meregali: “Não enxergo alguém que hoje poderia ganhar dele”