em

Prestes a disputar o Pan da IBJJF com os seus alunos, Ninja Pinto acredita na força da parte mental como diferencial

Faixa-preta master foi campeão do Indianapolis Open, Gi e No Gi. Na disputa de kimono, ele ficou em primeiro na divisão dos adultos

Ninja
Ninja Pinto atuou no Indianapolis Open da IBJJF com 100% de aproveitamento. Tudo pronto para o Pan. Foto: @ninja_pinto

Por sua proximidade, o Pan-Americano da IBJJF é hoje o assunto mais comentado no meio competitivo do Jiu-Jitsu. Ninja Pinto, faixa-preta responsável pela condução da Ninja Stars International, já está com as turbinas aquecidas para participar desse que é um dos principais torneios da temporada. No último final de semana, Ninja participou do Indianapolis Open, também da IBJJF, e conseguiu o ouro tanto na competição de kimono quanto no No Gi. Na luta com pano, Ninja Pinto ficou em primeiro lugar na divisão dos adultos, feito que conseguiu com as próprias habilidades e com a parceria com Bruno Sena, da TMC, que fechou com ele a semifinal.

Quanto à preparação para o Pan, Ninja evidenciou à equipe do VF Comunica que dá extrema importância à parte mental dos seus competidores. De acordo com ele, em um torneio visado por atletas de alto rendimento, o conhecimento técnico é nivelado. Portanto, é o bom preparo mental que vai fazer a diferença e definir qual atleta terá o braço erguido pelo árbitro.

“Estamos treinando forte, a equipe do Ninja Stars está fazendo de três a quatro sessões de treino por dia. Focamos, por duas vezes na semana, na parte emocional e psicológica do campeonato. Eu acredito com muita convicção de que o atleta deve alimentar mais a parte emocional e espiritual na preparação para os eventos. A parte técnica todo mundo já faz, todo mundo é bom. Mas ganha quem estiver com a melhor mente.”, opina.

Segundo Ninja Pinto, quem mais compete mais preparado fica para as exigências da competição

Participar ativamente de competições é outro recurso utilizado por Ninja como professor. Dessa forma, adquire-se o costume com o ritmo de luta e com a necessidade de domar o frio na barriga na área de aquecimento.

“Tudo é treino. Sou muito a favor de participarem em eventos o ano inteiro. Não temos off season. Desse modo, os atletas ficam sempre preparados e também já estão treinando e preparando a mente para os grandes eventos. Para mim, a competição é o melhor método para treinar o equilíbrio emocional.”, ressalta o faixa-preta.

Alunos da Ninja Stars são preparados para a independência

Um tema diretamente relacionado ao psicológico é a autoconfiança. Ninja Pinto acredita que a independência do aluno e o controle emocional são ingredientes fundamentais para não desandar a receita. A forma como um aluno reage antes e depois da competição, adquirindo o ouro ou não, dizem muito sobre o interior do competidor, revelando características que o desempenho no tatame não é capaz de mostrar.

“Eu faço com que meus alunos foquem em controle emocional, independência e muita repetição. Eu estimulo muito os meus atletas a buscarem independência. Assim, eles aprendem a tomar decisões a todo momento. Eles não precisam de mim para nada, porque ensino a terem autoconfiança e decidirem por aquilo que querem. Qualquer resultado é melhor do que não ter um resultado. Um resultado negativo é uma indicação da necessidade de ajustes, e não uma decepção.”, conclui.

Avatar photo

Escrito por Emmanuela Oliveira

Emmanuela Oliveira é faixa-marrom de Jiu-Jitsu e formada em Comunicação Social. Dentro do tatame, aprendeu que é possível conjugar Jiu-Jitsu, escrita e o gosto pelas artes visuais em um só pacote.

Piano Malachias ressalta crescimento dos alunos e projeta Pedro Marinho no ADCC: “Difícil alguém pará-lo”

Nicholas Meregali quer enfrentar Yuri Simões no FPI: “Vamos lutar 30 minutos e você vai bater duas vezes”