em

Cinco lições para evoluir como professor de Jiu-Jitsu por Roney Edler

Faixa-preta destacou pilares cuja compreensão leva à evolução no ensino da Arte Suave

Roney Edler
Roney Edler é um faixa-preta hoje atuante nos Estados Unidos. Nascido no nordeste do Brasil, o mestre tem como objetivo promover mais mudanças de vida através do esporte.

Como qualquer arte marcial, o Jiu-Jitsu possui fundamentos que funcionam como pilares na construção do conhecimento. Definir e distinguir esses pilares são tarefas fundamentais no caminho da maestria. A definição desses aspectos essenciais é atribuição dos mestres, aos discípulos cabe a disposição e vontade de aprender.

Roney Edler, faixa-preta responsável pela fundação da Sertão BJJ, com matriz nos Estados Unidos, listou 5 conceitos que funcionam como lições obrigatórias para qualquer professor que tenha como desejo promover a evolução dos seus atletas no Jiu-Jitsu. Fique atento a cada uma dessas palavras e pratique, no corpo e na mente!

1 – CONHECIMENTO

Um bom professor deve procurar ter um amplo conhecimento e procurar sempre aprender, para poder transmitir informações e atualizar seus alunos.

2 – PACIÊNCIA

A paciência é uma qualidade essencial para lidar com os desafios e dificuldades dos alunos. Um bom professor sabe que cada aluno tem seu próprio ritmo de aprendizado e está disposto a ajudá-los a superar obstáculos dentro e fora dos tatames.

3 – EMPATIA

A empatia é fundamental para entender as necessidades e emoções de cada aluno. Um bom professor se coloca no lugar dos alunos, reconhecendo suas dificuldades, limitações e oferecendo suporte emocional quando necessário.

4 – COMUNICAÇÃO

A habilidade de se comunicar de forma clara e eficaz é essencial para um bom professor. Ele deve ser capaz de transmitir informações de maneira compreensível e incentivar a participação ativa dos alunos nas aulas.

5 – MOTIVAÇÃO

Um bom professor é capaz de motivar os alunos a evoluir e a se superar a cada dia, procurando sempre aprender mais e mais. Ele cria um ambiente estimulante e inspirador, incentivando os alunos a se esforçarem e alcançarem seu potencial máximo.

Avatar photo

Escrito por Emmanuela Oliveira

Emmanuela Oliveira é faixa-marrom de Jiu-Jitsu e formada em Comunicação Social. Dentro do tatame, aprendeu que é possível conjugar Jiu-Jitsu, escrita e o gosto pelas artes visuais em um só pacote.

Para Ninja Pinto, integridade vale mais que títulos: “O mais importante é o profissionalismo”

Gabriel Silva fala sobre experiência no ADCC e projeta: “Vou voltar ao grappling esse ano”