em

Campeão da PFL, Raush se aproxima mais da família, evita novos amigos e diz: “Avalio melhor o conceito de amizade”

  • Além do belo cinturão, Raush recebeu o prêmio de 1 milhão de dólares. A bonificação mudou sua vida para sempre
  • Raush está embalado com quatro vitórias na organização
Raush Manfio é o dono do cinturão peso leve da Professional Fighters League. Foto: PFL/Divulgação

Aos 30 anos, Raush Manfio vive a melhor fase da carreira como atleta profissional e chefe de família. Dono do cinturão do peso leve da Professional Fighters League (PFL), Raush aproveitou o tempo das férias para cuidar de lesões antigas e ficar mais próximo da família antes de começar as sessões de treinos para a temporada 2022. 

Cavalo de Guerra, como é chamado pelos amigos, tem 15 vitórias e três derrotas na carreira, além de uma sequência de quatro vitórias seguidas na organização. Joilton Lutterbach, Anthony Pettis, Clay Collard e Loik Radzhabov foram enfileirados pelo brasileiro.

Atuar como o campeão da PFL o deixa com um alvo nas costas, mas ter essa “perseguição” por conta dos adversários deixa ele mais motivado para treinar. 

“A pressão aumenta e agora tenho um alvo nas minhas costas por eu ser um campeão, mas isso me motiva a treinar mais. Eu quero ser campeão da temporada em 2022 e para isso mantenho a mesma seriedade e dedicação como sempre fiz. Vou chegar mais afiado que nunca, isso é fato. O Raush de 2022 vai ser mais ativo, vai desferir mais golpes por minuto de luta, com certeza. Uma coisa que nós, do time, notamos é que o volume dos golpes pode ser muito maior. Quero usar golpes giratórios também. Vou arriscar coisas novas, estou bem motivado!”, ressalta Raush.

Além do belo cinturão, Raush recebeu o prêmio de 1 milhão de dólares. A bonificação mudou sua vida para sempre, como ele mesmo conta, a seguir. 

“Eu sacrifiquei bastante tempo com minha família, porque eu fiquei três anos sem lutar e tive que me virar para pagar as contas. Hoje tudo mudou! Agora posso treinar em alto nível e melhorar minha qualidade de descanso, pois não preciso mais trabalhar. Agora consigo estar mais perto da minha esposa e das minhas filhas. Agora posso, realmente, ver o crescimento das minhas filhas. Eu estou vivendo mais do que eu sonhava, do que eu queria. O objetivo era poder manter a minha família bem e fazer o que eu amava, eu consegui”, comenta o atleta da American Top Team. 

Mas pera aí, o que o Raush teve que evitar depois de embolsar uma bela grana? Bom, saber evitar “amizades interesseiras” foi uma das coisas que teve que fazer. 

“Agora enxergo melhor o conceito de amizade. Quando você está, realmente, numa fase difícil na vida é onde você vai encontrar seus verdadeiros amigos. Quando você não tem nada a oferecer você encontra verdadeiros amigos. Mas, depois do cinturão, muita gente quis se aproximar de mim. Agora tenho convite para sair, para jantar e muito mais. Antes não era assim, não tinha holofotes em mim. Eu sei ver bem quem é quem. Deus continua comigo, me abençoa e me guia!”, conta o campeão.

Avatar photo

Escrito por Vitor Freitas

Jornalista, Vitor Freitas atua diretamente na produção de conteúdo para o Jiu-Jitsu de todas as formas a mais de 10 anos.

Majestic: Mica Galvão finaliza Gabriel Costa na chave de calcanhar

Salomão Ribeiro: “Tem que melhorar o investimento do esporte no Brasil”