em

Bernardo Passos: joia brasileira do grappling brilha na Europa

Bernardo Passos foi campeão de uma superluta no ADCC Escócia. Foto: Reprodução/Instagram

Bernardo Passos carrega as bandeiras da Luta Livre esportiva e do Jiu-Jitsu no continente europeu. O atleta de 24 anos é faixa-preta nas duas modalidades e vive em Paris, na França, há um ano e três meses. Bernardo começou a treinar Luta Livre em 2015 por meio do mestre Ricardo Cardoso e ingressou no Jiu-Jitsu cerca de um ano depois.

Bernardo soma diversos títulos no Jiu-Jitsu sem kimono e no grappling. Ele já foi campeão dos Opens de Paris, Madrid, Lisboa e Londres, organizados pela IBJJF, e venceu uma superluta na etapa do ADCC na Escócia. Além disso, ele contabiliza inúmeras vitórias em outros torneios de grappling. Seu estilo impressiona quem gosta de assistir lutas movimentadas, principalmente, quando se trata das regras do ADCC.

Hoje, em Paris, na França, o faixa-preta é um dos principais treinos para atletas de elite, que fazem parte do plantel de eventos como UFC, Bellator e PFL, por exemplo.

Bernardo também é o professor responsável da Heel Hook Team, no Rio de Janeiro. O carioca escolheu esse nome para a sua equipe porque é um especialista na chave de calcanhar. “Comecei a fazer as chaves de perna desde a faixa-branca na luta livre e me desenvolvi muito nessa metodologia de ataques. Então, eu queria escolher um nome que me representasse de verdade”, contou o faixa-preta.

Em entrevista ao VF Comunica, Bernardo Passos disse como se aperfeiçoou nas chaves de calcanhar e explicou por que optou por focar no grappling em relação ao Jiu-Jitsu com kimono.

VF COMUNICA: Por que escolheu se desenvolver mais no grappling, do que no kimono, como a maioria? 

BERNARDO PASSOS: Eu sou oriundo da luta livre esportiva e comecei a treinar Jiu-Jitsu um ano e três meses depois para aperfeiçoar o meu jogo na luta livre.

Você contou que treina na academia de campeões do UFC. Já chegou a treinar com eles? 

Eu tenho a oportunidade de ajudar na preparação de alguns atletas na parte do grappling, que vão lutar em eventos renomados de MMA, como UFC, Ares e PFL, nos meses de setembro e outubro, aqui em Paris.

Por que você deu o nome de Heel Hook Team à sua equipe? 

Bom, comecei a fazer as chaves de perna desde a faixa-branca na luta livre e me desenvolvi muito nessa metodologia de ataques. Então, eu queria escolher um nome que me representasse de verdade, então decidi colocar Heel Hook Team.

Qual é o segredo para ficar tão habilidoso nas chaves de pé?

Eu tenho moldado o meu estilo voltado às chaves de perna desde 2015. Obviamente, treino todas as técnicas para ser um atleta completo, mas eu escolhi investir nas chaves de pernas porque elas podem finalizar pessoas de qualquer peso com facilidade, sem precisar fazer força nenhuma. Como eu pesava 63kg quando comecei a treinar, tive que desenvolver alguns métodos para conseguir finalizar os parceiros de treino mais pesados e mais graduados. 

Quando você vai lutar novamente?

É provável que eu faça minha estreia como faixa-preta no Europeu Sem Kimono, em outubro.

Avatar photo

Escrito por Gabriel Almada

Jornalista aficionado por luta e faixa-roxa de Jiu-Jitsu

AIGA: Bodoni, Cole e Dante lideram classificação do time Modolfo

Marcio de Deus: “Gabi está faminta para brilhar no BJJ Stars”