em

Após brilhar no Mundial, Kauane Ramos projeta “fazer barulho” na elite do esporte

Kauane brilhou no Mundial da IBJJF. Foto: Divulgação

Depois de brilhar no Campeonato Mundial da IBJJF, encerrado no início do mês, na Califórnia, ao conquistar a divisão super-pesado e absoluto, Kaune Ramos, jóia da Fight Sports, está pronta para alçar vôos maiores. A sua jornada como faixa-preta começou no fim do mês de junho, com medalha de ouro.

A atleta foi campeã do AJP Jacksonville, na Flórida, ao vencer duas lutas. Primeiro, ela fez nove pontos em duelo com Débora Alves. Depois, na disputa pelo título, encarou Brenda Palheta e venceu por dois a um nos pontos.

“Estou trabalhando duro para apresentar a minha melhor versão a cada competição e sei que vou fazer barulho na faixa-preta. Minha rotina de treino começa com 40 minutos de cardio diário, que antecede o treino de competição às 9 da manhã. Já a tarde, faço drills e minha preparação física”, detalha a campeã.

Kauane tem uma história no esporte, já são 12 anos treinando Jiu-Jitsu. Agora, treinando com a equipe de Roberto “Cyborg” Abreu, a jovem de 23 anos acredita que vai evoluir cada vez mais.

“Meu desenvolvimento pessoal se sobressai muito perante aos outros pontos em que evoluí. Acredito que ser liderado por campeões como o Cyborg e o Vagner, por exemplo, te faz aprender mais do que só Jiu-Jitsu. Eles mostram o verdadeiro significado do porque você faz Jiu-Jitsu e foi assim que me apaixonei de verdade pelo meu processo de desenvolvimento pessoal, que elevou o nível do meu Jiu-Jitsu”, relata Kauane.

Kauane também aproveitou para relembrar a conquista das duas medalhas de ouro no Mundial, depois de uma campanha de seis lutas, três na categoria super pesado e três no absoluto.

“Vencer o Mundial é algo grandioso para a carreira de um atleta, é a maior conquista da temporada. Eu pude ser capaz de vencer minha divisão e o absoluto, para me tornar a melhor faixa-marrom de 2023. Ainda tive uma lesão no joelho, depois da minha luta mais difícil do Mundial, que foi contra a Maca Vicentini na semifinal. Era o meu momento, o meu dia, apesar da lesão”, reflete a nova estrela do esporte.

Avatar photo

Escrito por Vitor Freitas

Jornalista, Vitor Freitas atua diretamente na produção de conteúdo para o Jiu-Jitsu de todas as formas a mais de 10 anos.

Seda College chega ao Brasil: uma grande novidade para a evolução das habilidades linguísticas

WGP 71: Jonas Salsicha encara Lucas Rafael sem valer o cinturão após diagnóstico de dengue de Gustavo Jones